Curiosidades do MES- Museu da Educação de Surdos

Atualizado em 18 de fevereiro de 2019

Neste submenu apresentamos algumas curiosidades mensais do MES - Museu da Educação de Surdos.


Curiosidades do MES - fevereiro de 2019

Entre 1981 e 1992 a Drª Júlia Maria Rocha, professora na Escola Preparatória de Paranhos, construiu um Dicionário Ilustrado do Português Fundamental destinado à aprendizagem dos alunos surdos.
Este dicionário abrange os 2217 vocábulos que fazem parte do inventário do Português Fundamental. A escolha dos vocábulos foi feita por um grupo de investigadores do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.
Todo o trabalho bastante extenso encontra-se datilografado e, em grande parte, ilustrado pelo Dr. José Carlos Teixeira, também professor na Escola Preparatória de Paranhos, que colaborou com esta obra a partir de outubro de 1984.
Porém, em reunião com responsáveis do Centro de Recursos de Educação Integrada (CREI), realizada em 17 de março de 1992, na Escola de Paranhos, foram dadas instruções para ser interrompido o trabalho de ilustração.
O trabalho de vários anos nunca seria publicado e até, em parte, encontra-se perdido pois os originais enviados para o CREI nunca foram devolvidos.
Para saber mais e ver algumas páginas do dicionário…


Curiosidades do MES - novembro de 2018

No mês em que se comemoram 21 anos sobre o reconhecimento constitucional da LGP como língua da comunidade surda, é importante relembrar o primeiro estudo linguístico sobre LGP, realizado em Portugal. O livro "Mãos que falam", publicado em 1980, da autoria de Isabel Prata, apresenta esse estudo da responsabilidade do Laboratório de Fonética da Faculdade de Letras de Lisboa.


Curiosidades do MES - outubro de 2018

O documento deste mês de outubro do MES (Museu da Educação de surdos) foi elaborado em julho de 1978 por um grupo de professores da Secção da Escola Preparatória de Gomes Teixeira a funcionar na Escola Secundária de Aurélia de Sousa. Seria a partir desta Secção que se formaria mais tarde a Escola Preparatória de Paranhos (atual EB Eugénio de Andrade). Neste documento (manuscrito) faz-se uma proposta de organização do apoio a alunos surdos (então designados por deficientes auditivos) explicitando-se várias formas de integração, de acordo com as características dos alunos. Também se faz referência à necessidade de recursos especializados, como docentes de educação especial, terapeutas da fala e psicólogos. Muitos aspetos ali referidos ainda se mantêm com alguma atualidade. Com base nestes pressupostos e nesta proposta iniciou-se, no ano letivo de 1978/79, o apoio aos alunos surdos que, depois viriam a ser incorporados na Escola Preparatória de Paranhos quando esta foi inaugurada em 1979. Daí se poder afirmar que o trabalho de educação com alunos surdos nesta escola é mais antigo do que a própria construção do edifício escolar, completando-se assim, neste momento, cerca de 40 anos ininterruptos.